Resenha história dos Condes de Anadia e Paes do Amaral

Resenha história dos Condes de Anadia e Paes do Amaral

A Casa dos Condes d´Anadia pertence à antiga Nobreza do Reino de Portugal, representando quatro linhas genealógicas, detentoras de importantes títulos e vínculos Portugueses, a saber:

Os Paes do Amaral de Mangualde – A linhagem da família Amaral remonta ao Rei Ramiro II de Leão, como descendentes de D. Hermigo Paes de Matos (vassalo do Rei D. Sancho II de Portugal), Senhor da Quinta do Amaral (no termo de Viseu) da qual os seus sucessores tiraram o apelido, originando no séc. XVI a Família Paes do Amaral, Senhores da Casa de Mangualde. Mais tarde, Miguel Paes do Amaral, representante desta Família e Senhor donatário das vilas da Abrunhosa e Vila Mendo, será o 1.º Senhor do Morgado de São Bernardo, em Mangualde (séc. XVII). Deste modo, os Paes do Amaral manteriam a sua residência na sua Casa em Mangualde, reconstruída na primeira metade do século XVIII (ficando a partir de então com a designação de Palácio), e em Lisboa teriam por residência o Palácio Paes do Amaral às Portas de Santo Antão.

Os Sá de Anadia – Descendentes de João Rodrigues de Sá, o Almirante das Galés d’El-Rei D. João I na segunda metade do século XIV. Detém o tratamento de Senhoria atribuído por El-Rei D. João II em meados do século XV, e eram Senhores dos morgados de Várzea, Lousã e Valongo instituídos entre os séculos XVI e XVII. Na segunda metade do século XVIII, João Rodrigues de Sá e Mello de Menezes e Sottomayor teve a mercê dos títulos de Visconde e Conde d’Anadia respectivamente concedidos pela Rainha D. Maria I e pelo Rei D. João VI. O 1.º Conde d´Anadia foi embaixador em Berlim e Ministro da Marinha e da Guerra em Portugal e no Brasil. Era filho de Ayres de Sá e Mello de Menezes e Sottomayor, Senhor da Casa de Anadia, Embaixador na Corte de Nápoles (Reino das Duas-Sicílias) e Secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Guerra no reinado de El-Rei D. José I. Os Sá de Anadia tinham a sua principal residência no seu Palácio e propriedades em Anadia, e em Lisboano antigo Palácio de São João dos Bem Casados, cuja edificação remontava ao século XVII.

Destes foi sucessor José António de Sá Pereira e Menezes de Mello e Sottomayor foi o 2.º Conde d’Anadia, tendo-lhe sido também concedido o título de 1.º Visconde de Alverca, representando também o ramo dos Sá de Condeixa, reunindo esta representação à Família dos Sá de Anadia. O 2.º Conde d’Anadia foi Ministro Plenipotenciário de Portugal em Nápoles e Madrid. Os Sás de Condeixa tinham a sua principal residência no seu Palácio em Condeixa, que foi destruído pelo fogo na segunda invasão francesa comandada pelo Marechal Soult.

Foi Herdeira desta Casa a Senhora D. Maria Luiza de Sá Pereira e Menezes de Mello Sottomayor, 3.ª Condessa d’Anadia, casada com seu primo Manuel Paes do Amaral de Almeida e Vasconcellos Quifel Barberino, tendo por esta aliança unido as Casas Anadia e Alverca com as Casas dos Paes do Amaral de Mangualde, Almeida de Abrantes e Quifel Barberino (de Roma e Países Baixos).

Os Almeida de Abrantes – Casa fundada com a instituição do morgado de Almeida no século XIV, incorporou mais tarde outros importantes vínculos, como os morgados de Momperres e de Santa Maria da Alcáçova, tendo a sua principal residência num solar do século XVII em Alferrarede (Abrantes).

Os Quifel Barberino – Família descendente dos Barberini , Duques de Acceti e Príncipes da Palestrina, da qual provieram o Papa Urbano VIII e vários Cardeais na Cúria Romana nos séculos XVI e XVII.  Esta Casa tem a sua fundação em Portugal, com a instituição do Morgado Quifel em Molhapão (Sintra) e construção do respectivo Solar no século XVII.

A chefia das Casas Anadia, Alverca , dos Paes do Amaral de Mangualde , Almeidas de Abrantes e Quifel Barberino de Molhapão recaiu no 4.º Conde d´Anadia, José Maria de Sá Pereira e Menezes de Mello Sottomayor Paes do Amaral de Almeida e Vasconcellos Quifel Barberino , o ultimo detentor (por efeito da lei que decretou o fim dos morgadiosem 1863) dos inúmeros morgadios que esta Casa deteve ao longo dos séculos.

O terceiro filho do 4.º Conde d´Anadia, Carlos de Sá Paes do Amaral Pereira e Menezes de Almeida e Vasconcellos Quifel Barberino, teve a mercê dos títulos de Conde e Visconde de Alferrarede,  sendo Senhor da Quinta do Bom Sucesso em Alferrarede – antigo morgado de Almeida, fazendo construir nesta propriedade um castelo neo-gótico conhecido por Castelo de Alferrarede.

A representação das Casas e vínculos reunidas sob a pessoa do 4.º Conde d`Anadia, é assegurada hoje pelo 7.º Conde d’Anadia e 3.º Conde d’Alferrarede, Manuel José Maria de Sá Paes do Amaral , proprietário do Palácio dos Paes do Amaral em Mangualde

Subscreva a nossa newsletter